Cientistas descobrem superterra, exoplaneta com condições para a existência de vida

0
874

Uma superterra com potencial para abrigar vida foi descoberta por cientistas, revela estudo publicado nesta quarta-feira (19) na revista “Nature”. O planeta rochoso fica próximo à estrela anã vermelha e está localizado a cerca de 40 anos luz da Terra, distância que permite estudo mais detalhado sobre sua composição.

O planeta foi chamado de LHS 1140b e orbita em torno de uma estrela menor do que o Sol e menos luminosa. A distância da superterra de sua estrela possibilita que a temperatura não seja tão quente, mas nem tão fria. Essa condição seria ideal para a presença de água em estado líquido, um elemento básico para a existência de vida.

“Este é o exoplaneta mais interessante que descobri nas últimas décadas. Observações futuras poderão permitir a comprovação, pela primeira vez, de uma atmosfera de um planeta potencialmente habitável. Planejamos procurar por água e moléculas de oxigênio”, afirmou o principal autor do estudo, Jason Dittman, do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica.

Cientistas já descobriram até o momento 30 exoplanetas deste tipo, mas o LHS 1140b é o que possui as melhores condições para a existência de vida. A superterra faz parte da constelação de Cetus.


Maior, mas nem tanto

Superterras são planetas rochosos, maiores que a Terra, porém não tão grandes e pesados como os gigantes gasosos do Sistema Solar. O LHS 1140b possui um diâmetro de 18 mil quilômetros e quase sete vezes mais massa do que a Terra.

O LHS 1140b orbita próximo a sua estrela, que é cinco vezes menor do que o Sol, e completa o giro em torno dela em 25 dias. O exoplaneta foi descoberto graças à rede de telescópios MEarth-South, dedicada a buscar exoplanetas.

Telescópios, em fase de construção, poderão ajudar os pesquisadores, no futuro, a desvendar os mistérios sobre a composição da atmosfera da superterra.

“A existência de água ou não dependerá da composição atmosférica do planeta e de outros fatores, como a presença de campos magnéticos”, destacou o coautor da pesquisa Felipe Murgas, do Instituto de Astrofísica das Canárias.

Os cientistas acreditam que o LHS 1140b surgiu de maneira semelhante à Terra e calculam que ele possui ao menos 5 bilhões de anos, a mesma idade do Sol. O primeiro exoplaneta foi descoberto em 1995, graças ao telescópio Kepler. Desde então, astrônomos já classificaram mais de 3,6 mil deles e 52 potencialmente habitáveis. (Com agências internacionais)

apoio_04

SEM COMENTÁRIOS