Gleisi e general do GSI terão de explicar a deputados a contratação de assessor pedófilo

0
599

Pode falar – Ainda ministra da Casa Civil, a petista Gleisi Hoffmann e o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, general José Elito Carvalho Silveira, terão de explicar na Câmara dos Deputados como se deu a contratação de assessor acusado de abusar sexualmente de menores. Requerimento do deputado federal Fernando Francischini (PR), aprovado nesta quarta-feira (28) pela Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, solicita informações dos titulares sobre a contratação de Eduardo Gaievski, suspeito de obrigar adolescentes à prestação de favores sexuais em troca de dinheiro na época em que era prefeito de Realeza, no interior do Paraná, entre 2005 e 2012.

De acordo com denúncias do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e do Ministério Público do Paraná, o ex-assessor de Gleisi Hoffmann teria cometido diversos crimes contra adolescentes da cidade de Realeza. Segundo depoimentos, Gaievski, que está foragido, pagava entre R$ 150 e R$ 200 a meninas pobres para manter relações sexuais com elas. Exonerado da Casa Civil no último sábado (24), Gaievski era encarregado de coordenar importantes programas sociais do governo, como o de combate ao crack e o de construção de creches.

“Esse é um caso absurdo. Estamos chocados com o fato de a Presidência da República nomear alguém que responde por estupro de meninas, e o pior: ser encarregado pela ministra para cuidar de políticas públicas de combate ao crack e construção de creches, cujos destinatários são exatamente os jovens”, declarou Francischini.

O parlamentar quer que Gleisi e José Elito expliquem como a Presidência da República pode contratar alguém com um histórico como o de Gaievski. Em entrevista, a ministra alegou estar chocada com o caso e levantou preocupação com a “vulnerabilidade” dos órgãos de controle.

Se a Casa Civil tivesse realizado uma consulta no cartório, por certo encontraria uma lista com 12 ações contra Eduardo Gaievski. A certidão obtida pelo portal “UOL” inclui o inquérito policial sobre exploração sexual, uma indenização por dano moral e três por reparação de danos.

O escândalo, sem precedentes na história do Palácio do Planalto, colocou Gleisi Hoffmann na primeira lista de demissões do governo da companheira Dilma. A ideia da presidente era despachar a chefe da Casa Civil no início de 2014, mas o entrevero envolvendo o pedófilo Gaiveski antecipou a degola.

SEM COMENTÁRIOS